PROJETOS AUDIOVISUAIS

Os projetos audiovisuais do Museu do Holocausto de Curitiba são produzidos pelo departamento de Comunicação e Redes Sociais, em parceria com outras áreas da instituição e colaboradores externos, que envolvem produtores, cinegrafistas, editores de imagem e tradutores. A primeira iniciativa surgiu em 2017, com o programa mensal “Luz sobre o Caos”, que seguiu até 2019 e será relançado em formato podcast.

Essas iniciativas estão ligadas ao tripé educação-memória-pesquisa; desde os vídeos ligados a datas comemorativas ou de memória (como dia das mães ou o dia mundial do refugiado) até campanhas e projetos de maior fôlego. A partir de 2020, a maior parte dessas criações passou a incluir recursos de audiodescrição e janela de Libras. Todas as produções estão disponíveis em nosso canal no Youtube.

Alguns dos projetos audiovisuais desenvolvidos pelo Museu:

 

25 anos de “A Lista de Schindler”: em fevereiro de 2019, o filme “A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg, completava 25 anos de existência. Sucesso comercial e de críticas, a obra levou o diretor a criar a USC Shoah Foundation, que atua na preservação de entrevistas de sobreviventes e testemunhas do Holocausto, além de outros genocídios. Durante todo o mês, foram lançados diversos vídeos que demonstravam a relevância atual da produção e como ela transformou a memória e a transmissão sobre a Shoá em todo o mundo.

 

Memória Viva: em maio de 2020, o Museu deu início ao projeto “Memória Viva”. Em breves entrevistas, netos de sobreviventes discorreram sobre as lições e os valores que aprenderam com seus avôs e avós. Em uma primeira temporada, foram publicados oito episódios. Novos vídeos já estão sendo gravados.

 

Museus para a Igualdade, diversidade e inclusão: no primeiro semestre de 2020, o Instituto Brasileiro de Museus organizou sua tradicional “Semana de Museus”. A 18ª recebeu o tema “Museus para a Igualdade: diversidade e inclusão”. Quatro vídeos foram produzidos com instituições parceiras, abordando questões como inclusão e LGBTIfobia.

 

TikTok: em agosto de 2020, buscando intensificar o diálogo com os jovens, o Museu abriu um perfil na rede TikTok. Conteúdos novos e específicos para a plataforma, com linguagem, formato e recorte totalmente diferentes das demais redes sociais, são desenvolvidos pensando neste público.

 

IGTV: lives (ao vivo), vídeos educativos e relacionados a datas comemorativas são publicados regularmente no IGTV do Museu, ligado à rede Instagram. Diferentemente do TikTok, os materiais disponibilizados neste canal são mais longos e densos, o que permite aprofundar certas discussões. Parte deles é disponibilizada também em nosso canal no Youtube.